Wednesday, July 16, 2008

Parabéns Paulinha

Paulinha,

Seleccionei e embrulhei cuidadosamente para ti, em papel colorido e com uma fila vermelha, palavras de Florbela Espanca.
Deixo-te a sós, com elas!


Amar

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui… Além…
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É Bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder… pra me encontrar…

Florbela Espanca, in Eu não sou de ninguém

1 comment:

De Profundis said...

Desembrulhei com mil cuidados o papel colorido, desatei o laço da fita vermelha com a ternura do coração... mas não tive cuidado e as lágrimas caíram gravando para sempre toda a minha emoção...
Não te preocupes, são lágrimas felizes, porque também se chora por amor...
A sós contigo, falo-te em silêncio e sei que me ouvirás porque as palavras mais fortes, as mais verdadeiras, ecoam apenas em lugares onde só alguns entram. Os lugares do coração.
Obrigada por estes momentos.
Um beijinho

Paula