Monday, June 18, 2007

MG - II


Não é simples nem inócuo mexer com a Natureza.
Cientistas alertam para o perigo da Manipulação Genética (MG). Os argumentos contra a MG estão relacionados com temores quanto à saúde humana, animal e ambiental - contaminação e empobrecimento da biodiversidade, poluição ambiental (contaminação de solos e lençóis de água através de agrotóxicos), extinção de espécies (eliminação de insectos e microorganismos), desenvolvimento de alergias, aumento de resistências aos antibióticos e aparecimento de novos vírus decorrentes da manipulação e recombinação de vírus.
Uma empresa dos Estados Unidos da América patenteou um gene apelidado de "exterminador". Ele é incorporado às sementes, que após serem colhidas ficam estéreis. Desta forma, o agricultor é obrigado a comprar, novamente, a semente que pretende plantar! O gene em causa, também, poderá ser levado pelo vento, juntamente com os grãos de pólen, fecundar flores e plantas silvestres ou domésticas, tornando-as, irremediavelmente estéreis! Este gene, o "exterminador", pode causar uma irrepável destruição no património da humanidade.
Outro problema gravíssimo, afirmam os anti-transgénicos, é a perda de controlo sobre estes alimentos, podendo afectar outros. Assim, podemos prejudicar outras espécies de plantas, além de animais, causando um desiquilíbrio ecológico com consequências imprevisíveis. Um exemplo, também nos Estados Unidos da América, foi a enorme mortalidade de borboletas Monarch, após serem contaminadas pelo pólen do milho geneticamente modificado, Bt. Losey. O local em que o gene é inserido pode não ser completamente controlado, o que pode causar resultados inesperados, uma vez que os genes de outras partes do organismo, podem ser afectados. No caso da soja, MG, existe o receio de que uma substância - a EPSPS -, provoque efeitos inesperados no organismo do consumidor, como alergias ou outro tipo de situações. Mesmo que o gene tenha sido preparado em laboratório para funcionar apenas nas folhas, e não nos grãos (parte comestível), não há garantias de que assim aconteça!
Novas proteínas que causam reacções alérgicas podem ser transferidas para outros alimentos e, apresentarem as mesmas reacções. Por norma, o consumidor identifica os alimentos que lhe causam alergias, mas aqui, o perigo reside no facto, de o mesmo consumidor perder o controlo e a identificação do alimento, para si, "perigoso".
Apenas com o olhar não é possível diferenciar um alimento transgénico de um natural, por isso, muitas empresas introduzem no mercado produtos GM.
Será vantajosa a MG?

2 comments:

JMC said...

Para onde iremos?
O homem consegue destruir a vida num ápice, não? Mas o pior é não destrói só a sua...
Essa do "exterminador" é arrepiante! Esses americanos...
A resposta à tua pergunta é NÃO.
Beijinho

jmc

rouxinol de Bernardim said...

Fantasma de Chernobyl está sempre latente sobretudo em localidades onde a incúria e o desrespeito pelo ecossistema são a imagem de marca de quem governa.